A (DIFÍCIL) BUSCA PELO PONTO G (DE GANHOS) NO HOMEM MODERNO
homem | moderno | tendência

[

A (DIFÍCIL) BUSCA PELO PONTO G (DE GANHOS) NO HOMEM MODERNO

<< Voltar

CONTEÚDO

A (difícil) busca pelo ponto G (de ganhos) no homem moderno

Por *Naira Maneo e Aryane Serconek

 

“Ser um homem feminino, não fere o meu lado masculino”.A frase cantada por Pepeu Gomes nos anos 1980 profetizava uma tendência. Ser mais flexível, permitir-se ser mais sensível, falar e demonstrar sentimentos, - antes considerado do universo feminino -, não tornariam o homem menos homem, mas sim mais humano. Coincidentemente, este refrão musical de sucesso surgiu justamente na época do ápice das conquistas femininas, onde as mulheres mimetizaram o comportamento masculino e a consequência para o homem, foi um sentimento de “perda” mesmo que a perda do estado anterior.

Três décadas depois Pepeu e os outros homens que têm se permitido expressar características que na verdade são humanas, como sensibilidade, vulnerabilidade ou fraqueza física encontram mais contra mãos do que mãos, pois a rejeição às transformações masculinas ainda é muito grande.

Uma dessas contra mãos são os próprios homens (ou pelo menos uma parcela deles), pois, em um momento de transição de estruturas hegemônicas, surge, no sentido contrário, forte necessidade de auto-afirmação. Ainda há outra contra mão inesperada por parte das próprias mulheres (ou pelo menos uma parcela delas, e inclusive jovens), que ainda tem a visão do homem machista, provedor e detentor da força física.

Juntando todos os pedaços e as pedras do caminho, o que vemos é um homem em processo de ressignificação do masculino e em busca de uma identidade, mas que recebe pouco aval externo para essas mudanças.

Para contrapor a vertente dos contrários às mudanças, e trazer um sopro de esperança, as novas gerações de homens, as crianças e adolescentes, têm permitido experimentar mais, em relacionamentos, atividades, cores, moda, sem fazer julgamentos se isto é “para mulher” ou “para homem”

Assim, a nova geração também tem puxado outro movimento, o da vaidade. São preocupados com a aparência e esta característica não pertence mais só ao universo feminino. Eles também querem mostrar atitude fashion.

A cobrança pela juventude eterna parece ter chegado ao universo masculino e vem junto com o resgate da vaidade. Afinal, o homem não “está” mais vaidoso. Ele sempre foi.

Na busca pela aparência jovem e no resgate da vaidade masculina, o mercado foi pego de surpresa e aparenta não estar preparado para esse novo homem como consumidor.

A disposição dos elementos nas lojas masculinas continua pegando carona no formato utilizado nas femininas, dispersando uma grande oportunidade de atrair mais consumidores.

         “For men” já não basta, há mais coisas a serem ditas para o homem. A formula azul, preto, dourado, cinza que quer dizer que é para homem é reflexo de um mercado que ainda não se aprofundou no potencial existente junto a este segmento.

Rótulos e arquétipos são problemas que a publicidade e comunicação tentam vender e não convencem, (e quando convencem é pelo atendimento da demanda que existe), pois apresentam o homem em ideal caricato e superficial, no qual eles mesmos pouco se identificam. A saída para fugir dos estereótipos e afins é entender os novos segmentos atitudinais de homem, identificando segmentos específicos e quais interessam e tem sintonia com o posicionamento da marca.

Fugir de palavras relacionadas às mulheres também é um caminho para se comunicar melhor com os homens. Todas palavras que já fazem parte do universo da beleza feminina (por exemplo relaxamento, maciez) não tem aderência junto a este segmento.

O equilíbrio entre razão e sensibilidade, bem como o enfoque em seres humanos e não em gêneros são outros pontos que a comunicação pode e deve explorar mais para se chegar ao homem. E exagerando para alertar sobre a oportunidade, eu diria que o tamanho deste mercado é simplesmente “todos os homens?”

 

*Naira Maneo é Sócia-diretora da Minds & Hearts,

Member of HSR Specialists Researchers


HSR SPECIALIST RESEARCHERS É FILIADA À ABEP E ESOMAR